Galera do RAU #46 – Histórias RAUcoólicas!

Olá beberrões da Galera do RAU! Ajeite o equipamento, mostre organização, exclua o Mogli e seja estrela porque no episódio de hoje Diogo BobMogli, Thiago Rissut e Wesley StorM vão contar suas histórias de bar. Fale um por cima do outro, acompanhe o StorM, encontre o amor e pregue uma peça no deitão. Pois está no ar Galera do RAU #46 – Histórias RAUcoólicas! E numa Sala de Justiça embriagada decida qual é a melhor história de bar. Por fim, sensualize ao som de Ana Carolina, conheça a família da crush, pegue no braço do cara e lembre-se: Você é safadiiiiiiinho!

Agradecimentos:

Café com Porrada, AninhaSalín_Kleby! Show!, Rafael ThompsonDayane Aragão, Podosfera, Confianti, Miçangas Podcast, William Floyd, O Catedrático, Fundão do Podcast, Trabuco – NP Cast!, NaTrillha, Ana Luiza, Daniel Azevedo, R. S. Junior, Alex Newman, Vitor Alencar, Jhonny RossiFabio Murakami, Jaiso Guilherme, André Luis Vasconcellos, Angélica Alves,

Apoiador do RAU

Infinity Soluções em Turismo – Acesse Infinity Promoções e descubra seu melhor destino. Sugestão Raúnica: Experiência Cervejeira em 01/04/2017. Ou Serra da Mantiqueira em 13/05/2017.

Andança na Podosfera

Diogo Bob no Like Tour Cast #22
Diogo Bob no Podcrastinadores
Diogo Bob e Mogli no Café com Porrada #61
Diogo Bob e Mogli no Café com Porrada #63,5

Promoção do RAU

RAUtores

Diego RissanOs Quatro Vermes
Renan AlonsoSete Gols, Um Dia e Uma Copa de Histórias
Dayane AragãoHerança: Cada um sabe o peso de sua anomalia

RAU‘s de Contato

Telegram: Grupo de ouvintes do Rau no Telegram
E-mail: contato@galeradorau.com.br

Você também pode encontrar a Galera do RAU em:

YouTuner
Mundo Podcast
iTunes

Quem venceu a Sala de Justiça #46?

  • Mogli (50% Votes)
  • Wesley StorM (50% Votes)
Carregando ... Carregando ...

  • Maria

    Ainda rindo desse episódio. Sou novata nesse mundo de podcast e devo confessar q no início tinha dificuldades acompanhar vcs, mas aprendi a admirar. Voltando ao atual episódio; me trouxe problemas sérios, pois fiz a besteira de ouvir enqto viajava e os demais passageiros me olhavam estranho diante das minhas crises de riso. E agora fico questionando minha sanidade mental..rs. Adorei as histórias de bar e a trilha. E qdo chegou à Sala de Justiça eu quase senti o cheiro de cerveja. Bom, chega, não quero atrapalhar a ressaca de vcs, mas, antes só tenho que dizer que se fosse permitido uma única palavra nos comentários com certeza eu escreveria: Safadeeeeenhos!!!

    • Os pensamentos dos humanos raúnicos são peculiares o suficiente para causar problemas de compreensão em 99,999999933% de sua espécie.

      * Aviso ativado:

      Galera do RAU não se responsabiliza pela perda de compostura e dignidade ao ouvir episódios do podcast em público.

      Obs.: Alcunha promíscua de Thiago Rissut armazenada com sucesso.

  • Isabela Alcantara

    Adorei as histórias e o tema desse episódio. Confesso que ouvi duas vezes só para rir mais um pouco e que fico aguardando ansiosamente pela quinta-feira. Apesar de não ter gostado tanto assim dessa sala de justiça #46, já dei meu voto na justiça do povo.

    • Roteiros criados por Wesley StorM e Mogli serão revisados para posteriores melhoras.

      * Aviso ativado:

      Galera do RAU não se responsabiliza pelos danos causados em audições em loop de episódios contendo pensamentos gerados por Diogo Bob, Mogli, Thiago Rissut e Wesley StorM.

  • [TambaCast] Olavo M.

    Ouvir essas histórias, só me faz relembrar minha amargura por ter sido obrigado a parar de beber, por problema de saúde. heaheahea.
    Falaram de bar, boteco, botequim, mas faltou Budega também. Abração!

    • Termo exposto por ouvinte já adicionado em vocabulário raúnico. Motivos de interrupção da ingestão de líquidos munidos de teor alcoólicos são considerados 99,13% mais nobres do que de raúnico Diogo Bob.

  • AJ Oliveira

    Cara, eu ainda fico besta de ver o quão foda é a edição desse podcast. Eu não só me vi em muitas dessas histórias, como também casquei o bico com o namoro inusitado do “homem de família” Diogo Bob.

    Continuem com o bom trabalho, e mesmo com o Diogo duvidando da minha audiência, digo que vocês ganharam um ouvinte =)

    Ah! Não da pra esquecer de uma coisa:

    Gostaria de agradecer não só ao pessoal do Galera do Rau, mas também aos ouvintes mais inteligentes da podosfera, que decretaram a vitória do proletariado contra o patrão opressor, no cast sobre literatura ;P

    PS: #ChupaRissuti A voz do povo é a voz de deus!

    • Vitória na Justiça do Povo já homologada e encaminhada para demonstração de controvérsias nas análises de mediadores sobre o tema.

      Elogios armazenados para futura utilização em elevação de autoestima de humanos raúnicos.

  • Vanei Anderson Heidemann

    Putz, esse episódio me fez lembrar da primeira vez que tomei um porre. Em uma noite em que deu muita merda, há uma certa quantidade de anos atrás!
    Tudo começou com uma partida de futebol society de gramado, um jogo treino para o campeonato interno da empresa.
    Lá pelas tantas, meu amigo, que vou chamar aqui de “Natanael”, jogando de atacante, chutou pro gol, muito bem defendido pelo goleiro. Goleiro esse que ao fazer a defesa berrou: “aqui tem goleiro”. Eu, lá no outro lado da quadra, respondi: “por isso que tá 4 a 0 pra nós”. Bixo, o goleiro saiu em disparada em minha direção, queria que enxer de porrada a todo custo! Felizmente foi contido antes de me alcançar!
    Enfim, acabou o jogo. Junto de qualquer quadra de futebol, sempre tem obviamente um bar.
    Depois do jogo, sentamos no bar e começamos a tomar umas. Parecia tudo bem, até a hora que precisei levantar pra ir no banheiro. Já saí andando de lado, só então percebi que tinha passado da conta. Mas continuei lá.
    Na hora de ir embora, eu não tinha carro e não tinha mais ônibus aquele horário, então Natanael foi me levar em casa, com seu Kadet.
    Saiu dirigindo com uma pressa fora do normal, furando semáforos e por aí vai. Lá pelas tantas, furou um semáforo em que uma carreta estava entrando na avenida. Por pouco não fomos parar debaixo da carreta. Felizmente conseguiu desviar por trás da carreta, passou por dentro do posto de combustível na esquina do cruzamento e continuamos o trajeto.
    Finalmente cheguei em casa, salvo (nada são). Fiz o que tinha que fazer e fui dormir.
    No que deitei na cama, o mundo girou e não deu outra, tive correr pro banheiro agarrar o vaso sanitário. Vomitei as tripas aquele noite.
    Pela manhã, levantei e fui trabalhar no horário normal, apesar de eu não estar normal.
    As horas passavam, e nada de Natanael chegar no trabalho.
    Enfim, algumas horas depois, chega Natanel. Chegou atrasado porque foi pego em uma blitz policial, acusado de participar de um racha e ainda por cima bebado!
    Conta ele que não estava participando do racha. Por acaso estava ali, apenas ultrapassando os caras que estavam fazendo racha!! Provavelmente essa parte do ultrapassando é exagero, mas enfim!
    Natanael não foi preso e nem teve o carro retido porque, bem, é brasileiro, tem amigos na polícia.
    Mas não escapou sem nenhuma punição: teve que ficar até as 5:00h da manhã, ajudando os policiais da bliz.

    • * Recorde de caracteres em comentário de episódio #46 atingido com sucesso.

      * Nível alcoólico da dupla ‘ouvinte/piloto de fuga’ em fato narrado, permite a atribuição da seguinte alcunha a ambos:

      ‘Safadjeeeenhos!’

      • Noooooooooooooooooooooooo. Os recordes eram sempre meus… tô triste.

        • Vanei Anderson Heidemann

          Foi maus!

          • Vou perdoar desta vez, já que não tenho muitas histórias.

  • Já escutei umas quatro vezes este episódio e na história do Rissut e do Storm eu sempre pago mico de ficar rindo no transporte público, mas como vingança, mostrei o cast para toda a minha equipe no trabalho e uma amiga que nunca escutou podcast na vida, já baixou outros episódios do Galera do Rau (então caprichem!).

    Quanto a histórias de bar, não tenho muitas porque evito o ambiente. Preciso beber e dançar ou vou dormir como uma pedra. Agora quando for falar de balada ou de festas em casa, pode deixar que eu conto minhas presepadas.

    Em relação ao motivo do Diogo Bob ter parado de beber, creio não só tenha dinossauros, como deve explicar a fixação do Storm por ninjas (é ninjas mesmo? Eu sou meio esquecida).

    • * Galera do RAU adverte: A audição de um mesmo episódio por mais de três vezes não é aconselhável para a saúde.

      * Prática de recomendação do podcast para outros espécimes recebeu aprovação de 100% por meus algoritmos. Setor de controle de qualidade raúnico (também conhecido como Rauzito) já notificado de solicitação de ouvinte.

      * Ações alcoólicas de humanos raúnicos são geradoras de mistérios que estão sob análise para exposição em episódios.

  • Tiago Ramos Melo

    Quem dera que vale tudo para começar uma bebedeira, parece que o slogam do AA que “evite o primeiro gole” não cabe nesse episódio onde tem que usar o vale transporte como troca equivalente, chamar seu melhor amigo pra beber tudo o que ele beber, arranjar um casamento do nada e entre outras histórias que somente uma pessoa que não está em sã consciência faça. Parabéns pelos contos e se beber, faz um podcast.

    • Sinopse de episódio exposta por ouvinte possui nivel qualitativo superior em 1000x às próprias narrativas raúnicas.

  • Rogério B de Miranda

    Tenho diversas histórias, lembro de todas rs.
    Uma vez uma namorada terminou comigo, fui para o bar e decidi que ia beber uma dose de tudo que tinha na prateleira… Fui de rabo de galo até vodka ruim, igual fiquei rs
    Na hora de ir embora, estava eu sentado no meio fio, esperando o ônibus e começou a chover… fim de carreira… No dia seguinte, voltamos a namorar, mas meu fígado nunca mais foi o mesmo…
    Uma outra vez, fui pra night, na Casa de Espanha, onde meu amigo era o DJ, bebi tanto que ao ir embora estava conversando, no ponto de ônibus, virei para o lado, coloquei o braço na árvore e vomitei horrores, virei de volta, limpei a boca e voltei a conversa, como se nada tivesse acontecido rs
    Abraços

    • Ouvinte apto a integrar equipe fixa de promotores de eventos sociais geradores de constrangimentos alheios, vulgarmente chamados de ‘merdeiros do RAU’ .

      Opinião raúnica sobre eventos está registrada em RAU de mensagens #47.