Galera do RAU #37 – Tá bom, mas não se irrite!

Olá irritados da Galera do RAU! Acorde domingo de manhã, coloque o microfone no ouvido, mate a frase de abertura, ultrapasse os limites porque no programa de hoje Diogo BobMogli, Thiago Rissut, Wesley StorM vão falar sobre as coisas irritantes da vida cotidiana. Cuspa, cutuque, feche o corredor, dificulte a ultrapassagem e pegue fila. Pois está no ar Galera do RAU #37 – Tá bom, mas não se irrite! E na sala de justiça discuta à polêmica, os velhos são chatos ou não. Por fim, entre nu, aja como chefe, responda para todos, seja encostado, brigue com a família e lembre-se: E as namoradas?

Agradecimentos para nossos queridos “homenageados” no RAU de mensagens

Julio Assano, Vanessa Lima, Bruno Audi, Cristiana Bruno, Vanei Anderson, Thais Bracho, Tiago Ramos, Dayane Aragão, PQP Cast, Só Vim Pra Dançar, Ana Eliza, José Castanhas, Wellington, Cultura Pop A Rigor, Sr. A, Jogos Véi, Café com Porrada, Despachados, Luiz Henrique e Orelha Miguel, Carlos Silva

Andança na Podosfera

PQP #114 – Por que David Hilbert é matemática além dos números?

RAU‘s de Contato

Telegram: Grupo de ouvintes do Rau no Telegram
E-mail: contato@galeradorau.com.br

Você também pode encontrar a Galera do RAU em:

YouTuner
Mundo Podcast
iTunes

Quem venceu a Sala de Justiça #37?

  • Diogo Bob (53% Votes)
  • Mogli (47% Votes)
Carregando ... Carregando ...

  • Saudações Raunicos, beleza?

    [não levar a sério]
    Bem, como diz muito sabiamente uma amiga minha: “Velhos deveriam ser iguais elefantes: quando sentem que estão atrasando o bando, deveriam se retirar pra morrerem sozinhos no vale”.
    [/não levar a sério]

    Um beijo e dois abraços pra vocês.

    • * Ativar sistema para amenizar verdades ditas.

      [não levar a sério]
      Brincadeiras humanas possuem probabilidade de 84,11% de possuírem impressões verdadeiras de seus interlocutores.
      [/não levar a sério]

      * Vinculação afetiva com ouvinte acionada:

      Dois beijos e um abraço para você.

      * Envio de código amoroso:

      S2.

  • Luiza Fernandes

    O que me irrita é quando mando mensagem com duas perguntas e só respondem a última.

    • Irritação considerada pertinente.

      0 pergunta(s) sem resposta(s) encontrada(s) em arquivos do RAU.

  • Dayane Aragão

    Quando eu nasci, diz minha mãe, eu já saí batendo na cara do médico. De estresse, acho que entendo.

    Me irrita quando acabei de acordar e a pessoa me sai fazendo milhões de perguntas ou quando estou ocupada resolvendo algo e querem que eu resolva o problema dos outros.
    Crianças também me irritam, não tenho tato para estar no mesmo lugar que elas e nunca gostei de brincar com outras crianças, mesmo quando eu era uma.

    Agora, se quiser fugir de perguntinhas sobre estar em relacionamento, use a tática do:
    “Pra que eu quero o problema de me relacionar com alguém?” Cite todos as chatices de um namoro. Também uso a tática do “Não vou namorar uma pessoa qualquer, sei da importância de um relacionamento sério e não quero brincar com isto”.
    Usando tais táticas eu convenci minha avó (Que acreditava que mulher nasceu para casar e cuidar da casa) que só devo pensar em casamento depois dos trinta.

    Para pessoas que ainda tentarem debater sobre você ser solteiro, mesmo usando as brutalidades acima, comece a falar mal de crianças. Vão dizer que você é um monstro e que é melhor ficar sozinho. (Minha mãe diz que sente vergonha quando eu digo que não gosto de crianças.)

    Nada no mundo é mais errado do que tentar agradar familiar, no máximo semi agradar a pessoa que convive com você. Por experiência própria, tentar agradar todo mundo que convive com você é o caminho perfeito para viver estressado.

    • Ouvinte Dayane considerada apta para desenvolvimento de manual de sobrevivência a irritações humanas. Todos os pontos armazenados para futura análise de perfil e consequente agrado de ouvinte.

  • Nem vou citar tudo que me irrita pois não quero sobrecarregar o site do RAU, o servidor não iria aguentar tantas informações. No entanto tem uma coisa que não dá para deixar passar, a soma de duas categorias citadas por vocês: Velhos + Bancos. Além de demorar para acharem o cartão como o Wesley citou, os velhos ainda fazem questão de lotar os bancos no horário do meio dia às 14hs, horário em que o pessoal que trabalha está em horário de almoço e único momento para resolver pendências bancárias. Pena que não citaram nada relacionado ao transporte público, mas isso rende um programa inteiro de tanto nervoso que passamos!

    • Combinação de eventos sugerida por ouvinte Bruno Audi está categorizada por humanos raúnicos em pasta de alcunha ‘apocalipse’ .

      Sugestões e apontamento sobre transporte público validados e armazenados com sucesso.

  • Jorge Augusto

    E aew galera! Suave?

    Mano… Poucas coisas me irritam, mas algumas delas são:

    -Estar em um ônibus e uma gorda (sim, sou alvo delas) vir me empurrar, pisar no meu pé e pedir desculpas com um sorriso amarelo do tipo “não mandei você ficar no meu caminho”;

    -A pessoa do RH de onde eu trabalho. Esta “mulher” parece querer pegar no meu pé por ter se arrependido de me contratar. (E sim, estou digitando isso enquanto ela está aqui na sala, mas não está vendo meu computador);

    -Falar que eu disse algo sem eu ter dito ou tentar colocar palavras na minha boca. Como eu fico puto com isso;

    E pra mim, o Bob ganhou essa fácil. Argumentos fortes e notou falha nos argumentos do adversário.

    De resto um grande abraço a vocês e até o próximo comentário.

    • Verbete ‘poucas’ foi considerado inválido devido aos relatos escritos em seguida por ouvinte Jorge.

      – Iniciadas pesquisas sobre poder de atração gravitacional de ouvinte;

      – Manutenção de habilidade de falar mal sem ser detectado foi analisada e considerada crucial para ouvinte em questão;

      – Eu, Rauzito, peço desculpas pelo comportamento de integrantes humanos do RAU em grupo de troca de mensagens do aplicativo Telegram (grupo este, denominado ‘Ouvintes do RAU’).

      PS: Justiça do Povo corrobora com opinião individual de ouvinte Jorge.