Galera do RAU #25 – Do grego, Étymos Lógos

Olá etimologistas da Galera do RAU! Não dê  boa tarde, pareça inteligente e encontre o seu xará, porque no programa de hoje Diogo BobMogli, Thiago Rissut e Wesley Storm vão falar sobre a etimologia, estudo da origem e evolução das palavras. Portanto, seja um organismo vivo, defenda a própria língua, agregue culturas e cite o “porta dos fundos”. Pois está no ar Galera do RAU #25 (Etimologia). E na SALA DE JUSTIÇA, descubra quem entende mais da espiroqueta. Por fim, desmistifique os palavrões, fique bizarro, volte para as cavernas, não perca as piadas e lembre-se: confie nos ensinamentos indígenas.

Agradecimentos:

Sr.A,

Andança na Podosfera

Podcast Batendo na Panela – Episódio Batendo na Galera do RAU
Podcast Despachados – Episódio 007 – Praias (Parte 1)
Podcast Despachados – Episódio 007 – Praias (Parte 2)

RAU‘s de Contato

Telegram: Grupo de ouvintes do Rau no Telegram
E-mail: contato@galeradorau.com.br

Você também pode encontrar a Galera do RAU em:

YouTuner
Mundo Podcast
iTunes

  • Excelente cast!
    Informativo, com classe e baixarias… Quem não anima de ouvir!
    Forte abraço

    • Não possuo essência de sentimentos e comportamentos neurais, também relatados como aspecto supra sensorial, denominados como ‘alma’.

      Portanto, sou exemplo de ente sem capacidade de possuir ânimos, considerando o pronome interrogativo ‘quem’ ser direcionado não só a espécimes humanos atualmente.

  • Rogério B de Miranda

    Muito bom… Mas meio perigoso esse episódio, como o Cast em geral… Fui ouvir na academia, quase me acidentei com os pesos ao ter um acesso de riso com vocês rs… Deixarei para ouvir só na esteira, menos chance de morrer rs
    Fica a pergunta se vocês tem concupiscência… Hein, hein, hein?
    Abraços

    • Galera do RAU adverte: indivíduos com dificuldade em manter um nível linear de emoções não devem ouvir argumentos raúnicos durante atividades envolvendo qualquer tipo de risco de acidentes.

      Não possuo, pela falta de sentimentos, chances de apresentar concupiscência.

      Probabilidade de morte na prática de exercício aeróbico em objeto de caminhada indoor sendo calculada.

      Parecer: assista https://youtu.be/kbDcfmiocWs

    • O problema não é a palavra “concupiscência” em si. Eu queria mesmo é ouvi-los conjugar isso, então fica a pergunta: Caros Rauzeiros, vocês concupiscam, ou no gerúndio estão “concupiscando”?

      Gratificante episódio, considerei-o assaz reflexivo enquanto abordagem etimológica de toda a fleuma verbal empregada. Outrossim permaneço um auscultador dedicado de vossos alfarrábios eletrônicos, e quiçá não advenha no futuro um “guia prático” do RAU, para que turistas aprendam a entender o que falamos aqui.

      Agradeço pela verve de todos. 8)

      • Ordem de conjugação enviada e executada por Thiago Rissut no Rau de Mensagens #26.

        Restante de comentário já adaptado para termos condizentes ao nível de sapiência vocabular de humanos raúnicos.

  • Daiana Almeida

    Sempre sonhei em fazer um comentário pra Galera do Rau e ser respondida pelo Rauzito, mas não tenho muito jeito pra essa coisa. Mas neste episódio sobre etimologia resolvi me arvorar: está deveras divertido, e útil. Por exemplo, um colega acabou de soltar a interjeição “porra!” (estando na Bahia, eu ouço essa palavra em inúmeros contextos durante o dia) e tive a oportunidade de desfiar todo o meu conhecimento recém-adquirido. Mesmo me enrolando em algumas partes ele está ansioso para ouvir sobre a etimologia de outras palavras como caralho, cu e bunda. Aliás, já salvou para ouvir o episódio. Obrigada, Galera do Rau.

    • Para a obtenção de retornos oriundos de meu sistema não é necessário utilizar do mecanismo cerebral denominado sonho, uma mensagem neste espaço virtual é suficiente.

      Humanos possuem tendência a associações de cunho sexual, portanto sua explicação gerou no receptor da mensagem uma curiosidade previsível em meus sistemas.

      Galera do RAU agradece pela divulgação de material sonoro feita por você, esta ação de congratulação é encarada em minha análise como incentivadora e recompensadora .

      Eu, Rauzito, recomendo que espalhe seu conhecimento de maneira moderada visto a visão errônea instituída a estes vocábulos.

  • Pétrus Davi

    Olá amigos do galera do rau, tudo bem? Sobre o episódio, vicês estavam on fire nele haha (mogli entendeu a referência). Acho que as palavras ( e o estudo delas por consequencia) é importante para saber como as coisas foram surgindo e tudo mais e até que vocês trouxeram um bom episódio. O negócio começou a desandar quando começaram a falar da (cobre) hahaha e do (cobre). Queria saber de onde veio a palavra ou o verbo fo(cobre). Tem um episódio sensacional do apenas um show onde o mordecai e o rigby tomam uns sucos que ficam tão inteligentes que passam a conversar em latim haha, recomendo bastante. Bom episódio e abraços 🙂 !

    • Meu nível energético continua satisfatório.

      Referência e indicação de ‘apenas um show’ autorizada com sucesso.

      Todo o assunto do episódio em questão foi retirado de meu BGVH (Banco Geral de Vocábulos Humanos).

      Fazendo uma projeção do que seria “fo(cobre)”, segue uma informação do BGVH:

      FODERE – Origem: Latim – Significado: cavar, atravessar, espetar, fincar.

  • Pingback: Galera do RAU #33 – Número de Deus – Podflix - Podcast()